sábado, 20 de dezembro de 2014

DIREITOS HUMANOS



Isto é muito estranho...
Tentei compreender
O amor, por vós, pregado;
Feito sem entender
O diferente, execrado...

Como podem amar
Se impedem-me de agir,
Impedem-me de pensar,
(Respeitando, então, meu íntimo)
De demonstrar todo o amor
Que eu tenho para dar?

Desconheço quem são
vocês, meus coirmãos!
Se não têm condições
Para amarem, não mintam!
Deixem-me, então, viver
Em paz, a minha vida!

Parem de se importar
Com o que são negados
A si mesmos, a pregarem
Realmente o que não são.
Deixem-se indiferentes
Às minhas rotinas....

Sendo assim, termino,
Em minha humanidade,
Este meu vil pedido:
Vá ser feliz!... Porém,
Deixe-me sê-lo, também!

Que sejamos humanos
Direitos pra todos nós!
Que sejamos humanos
Que sejamos direitos
Humanos pra nós mesmos!

(Leandro Monteiro)



sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PARA CHAVO


“En viente y ocho
De noviembre
Despídome
De la escena
Espero que tengam
Paciéncia conmigo...
Graciás por seguime
Ustedes fuerón buenos...”

Gracias, decirmos
A ti nosotros
Que de nuestros rostro
muchas veces aburridos
Ha sacado de nosotros
Un importante sonrisa,
A quedarse em nosotros
Sea em la miente
O em el corazón...

Nuestros abrazos
Y cariños de Brasil
Hasta luego Bolaños.
Que te sigas para

El bueno, Diós.

(Leandro Monteiro)

domingo, 16 de novembro de 2014

LIMBO

Com os olhos cerrados
Mergulho no mar de Morfeu,
Poucas horas não bastam
Para que eu voe ao céu.
Contudo, flutuo sob o chão de véu...
(Leandro Monteiro)

sábado, 1 de novembro de 2014

LAS AGUAS (VERSIÓN EN ESPAÑOL)

Aguas vienen
Y vuelvan sucías
Por causa del desdén
De una bestia que tiene
Mente elaborada.

Aguas van...
Para al vano
Porque el ser ve,
Pero no siente
El futuro que tendrá
Pues es incongruente.


Aguas corren
Siempre sin parar...
Sucías, perenenmente;
Pueden quedarse,
Si no buscar la cura
Para el malo hecho
A la límpida orden.

Aguas vienen
Aguas van
?Para donde?
Para la sangre terrestre.


(Leandro Monteiro)


domingo, 26 de outubro de 2014

MIRAGEM POLÍTICA


Sonho de uma noite de verão:
Ver o grande músico Lobão
Pedir, no programa do Faustão,
Votos para Lula, causando confusão..
"Que pesadelo é esse? Meus Deus!"
Assim ele reagiu quando acordou,
"Mas agora acabou, terminou
Certo? Ou não? A Dilma se reelegeu?"
"Se assim for, Bye Bye Brasil"
(Leandro Monteiro)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

ZONA LIMITE

A boca da noite
É tão fria quanto
O beijo da morte
Que o corpo abraça...

Mas o salva a vida,
Nossas alma e corpo,
Se acalenta nossa
Boca o céu do dia.

(Leandro Monteiro)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

ME-DITAÇÃO (?)

Feche os olhos
Respire
Caminhe...
Agora?
Neste segundo
Com os olhos
Fechados no mundo?
Abra os olhos
Aja
Faça...
Agora?
Neste segundo
Com os olhos
tensos no mundo?
Respire
Não olhe...
Aja
Não escolha...
Não dá!
Não muda!
Feche e abra
Seus olhos...
Enquanto respira
Podes tu pensar,
Enxergar,
Nova vida?
(Leandro Monteiro)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

EUREKA

A realidade
Se descobre quando
Sou corpo
A cair
Na gravidade
De um tempo Infinito
Mas relativo...

Haja emoção para descrever minha existência!


sexta-feira, 3 de outubro de 2014

APOCALIPSE HAWKINIANO


Descubra a origem de tudo,
E desalinhe a partícula
De Deus...
Inicie o fim do mundo:
Reconstrução dos ateus.
(Leandro Monteiro)

domingo, 28 de setembro de 2014

COME BACK



It's been a long time
I've been low profile
Since I found the gold
From holding my tongue...

There are so many things
Have happened in the World
That I decided to reopen
The Pandora's box of me:

Release my demons to critize
All the evil beings
Give us some hope to undermine
All the doom predicted.

I come back again,
As a retired man,
After all missions done,
Recalled by urgency.

Now these verses
Reappered stronger
In this lines, I hope,
Are the Start of a Rebirth.

(Leandro Monteiro)


sábado, 14 de junho de 2014

MODORRA

Sentar-se...
Descansar...
E o sono
Chega pra
Me cansar.

Levantar-se..
E cansar-me..
E, então, meu corpo
Pedi para eu
Me despertar.

São os meus olhos,
os quais oscilam
Entre o baixar
E o levantar
Das pupilas.

(Leandro Monteiro)

segunda-feira, 9 de junho de 2014

CONCIENCIA POLÍTICA

Es hora de despertar,
Nosotros no somos más
Reyes desnudos
Para no notarmos
La realidad de que hay.
...
Somos más que Maduros
Para entendermos que
Están a jugar conosco és
Más que un simple ajerez
Del tabulero que nos muestran.

Las verdadeiras estrategias
A nosostros no son dichas
Quieren revivir el absoluto rey,
Por los actos sutis de violencia,
Escondidas como democracias

Por las palabras que intentán
Tornarme, en hondo de mí,
Responsable por alguno hecho
Que no lo dije o lo hizo a tí
A vos o nosotros, que a nos herió.

Por las palabras que inventán
para tornarnos, en hondo de ti,
mí verdugo para, por un hecho,
Punirme por mís errores vis,
que eran por ti, ayer, Don, visto.

Manaña, el sol, todavía,
Parece no haber salido...
Y sus falacios sonidos,
Aunque sepa los sentidos,
Son la nostra conciencia...

Son las nostras práticas
De una política arcaica
Que no queremos, pero
Olvidarmos cambiarlas
Para no dejarmos de ser
Reyes de si mismo en
Esta democracia de fachada.

Leandro Monteiro

sábado, 10 de maio de 2014

TURNING POINT (BICENTURY MAN'S METAPHOR)


In these long nights
Walking as an android,
I've been careless about
Others and myself
Inspite of a heart's
Still beating inside me...

Living these dark hours,

Seeking something new,
In unexpectance appeared...
A smelling of sweet flower,
A sparkle triggered in my eyes
And something brought me life...

A brighting sun comes
Into my iron cables,
Turns so them to warm
Veins... And I become
A human being again,
Ah! My dear, my Godness!

Those long nights
No matter is the weather
No matter is the time
Are my sun days now!
And for showing I care
About you, I'll tell you now:

Your lights make me change

My CPU into a nature brain;
Your flourished smell
Turns my closed iron body
In an open skin shell
For all who gives love...

Now I'm no more a robot,
I'm a human being who senses
All the things around the world
More than a mere Maths language
All the things that there is or not
Here. And get and gives a love thought.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

OPINIÃO


 

Não sei se é o caminho mais adequado
Não sei se meus pensamentos são certos
Mas prefiro a liberdade das dúvidas
(Às quais me impelem a melhorar a cada dia)
Do que a "segurança" das certezas
(Às quais me confortam a minha soberba).
Acredito que , só desse jeito,
Podemos ser humano bondosamente imperfeitos
Em toda nossa progressiva completude.

(Leandro Monteiro)


sábado, 1 de março de 2014

UMA NOITE NA VIDA


Andarilhos pela rua,
Cães ladram se, então, os escutam;
Gatos miam para a lua...

Como a abóbada está linda!
Mais uma noite de vida...
Ou seria, talvez, a última?

MEMÓRIA/ CONSCIÊNCIA (HAI-KAI)


O surgir do humano:
Tintas preenchendo o Papiro
Que, antes, era branco.

 
(Leandro Monteiro)

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

A COISA

Este quarto existe
Porque estou vivo,
A coisa não existe
Nunca por si mesma,
Pois não se distingue
Perante as demais...
Seja em seu ruído
Ou qual for o cheiro....
Que contradição!
Mas a coisa é deus
(Ser sem nome, antiga
Essência anterior,
Ao nosso céu, o Céu...!),
Qual cria o impensável;
Que é sempre limitada
Por mim, que a define.

(Leandro Monteiro)