terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

IMPRESSÕES II

O Sol nasce
Mas não se machuca,
Não se cura,
Não odeia,
Não ama...

Se está lindo?
A resposta se norteia
Entre o sim e o não
Da chama de uma alma,
Não mais que filial...

O sol morre
Mas sempre ressurge
Na própria inconsciência
Que cria várias ciências
Que por ele urgem
Pela vida que se socorre
A si só, o sol...

Se está triste?
O sentimento se confunde
Com uma imagem em declive
Que independe de fechar os olhos...

O sol
Assiste todos
Assiste a todos:
Em seu começo,
Em seu meio,
Em seu fim.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

BIG BANG (HAI-KAI/HAI-KU)

This poem is also published in Your Poetry Dot Com. These (version and Original are old).


BIG BANG (Original)

A noite, grã deusa,
pari a luz, mãe da vida
de nosso planeta.

BIG BANG (English Version)

The Night gives birth
to the light, the mother's life
of our planet Earth.





Copyright © Lele ... [2007-05-06 11:29:54]
(Date/Time posted on site)

domingo, 24 de fevereiro de 2013

O UNIVERSO HAI-KAI

I post you a poem in portuguese and its version in english (Again, one published in Your Poetry Dot Com. Please, enjoy you them.


Uma árvore morre,
Outra nasce. Deus consagra
A vida, a morte.


The Universe

A tree died, other
lives. God, so, consacred
The Life and the Death.




Copyright © Lele ... [2007-05-31 10:14:36]
(Date/Time posted on site)

INSATISFATION

One more old poem.   (This also is in your Poetry Dot Com)


Gain
A-Gain...
And our desires

Are never
Completely satisfied.


Copyright © Lele ... [2007-05-25 02:17:41]
(Date/Time posted on site)
 

sábado, 23 de fevereiro de 2013

LOST HEART

 One more old poem from Your poetry dot com



I'm cold.
Like a stone,
I'm alone.
I didn't find something
that bring me hot.

Like a heart
that have been lost.

So serious,
I work to pay to bills.
I don't believe on miraclous
to get out my troubles that I feel,
that I have a lot of.

Like a heart
that is lost.

Now, I've been thinking
How stupid I'm
For cutting my hopes, believes
That get me a man,
That give me love,
Patience and happiness
Inside my blood.

I'm, really, slow.
I'm, really, alone.
I'm, really, unhope.
About this world that throw:

The animals,
The people,
The things in general,
In my point of view, out

Of my mind
That make me feel,
Be a lost heart.








Leandro Monteiro

Copyright © Lele ... [2003-07-15 23:25:00]
(Date/Time posted on site)

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

LIKE AN ANGEL (I'D LIKE TO BE)

An old poem, but I believe it deserves to be publish here in the blog. It is, also, in an American site called:  Your Poetry Dot Com as "Lele" Nickname.

Above sky,
Angels fly
how I'd like
To be
this kind
Of being:

Always happy, similing.
Always good, caring.

Above sky,
they are
Identify
Internity.
they don't hurt,
Contrary of me, in my life (it's heavy):

That always hurtness, blood.
That always suffering, death.

Above sky,
They are equal
They don't have nacional's
Identify
Like me in this earth's multi called

By black, white, yellow...
By Italian, nigerian, american...

They speak all languages,
They live on all places,
They belongs for all religions
That they are everybody in grace:

For understanding,
for respect,
For being,
For speaking
With each one.

I'd like to get, to be one of they.
To be in the sky
For seeing and protect
The people, giving their happiness. 

Leandro Monteiro

Copyright ©Lele ... [2003-08-02 15:05:00] (Date/Time posted on site)

sábado, 16 de fevereiro de 2013

THE UNCONFIDENT




You are my life
The one I most like
The one I appreciate…

It is my sweet side
It can be my suicide…

If the Sadness approaches me,
The Self-Esteem, who are kissed
By her scorn mouth in the lips

I don’t know if I hope
My soul gets life
But gets this burden…

Or I don’t want love
As my soul stays fine
However, it’s still bored.

I don’t know if I do
I’m afraid to the worse
That can be happen, so soon.


My sweet side will be gone
In case of your kill him by mocking
And Depression gets me to thumb.





VIDA PERFEITA

Amanhã radiante:
Nem frio nem calor,
Pássaros cantam louvor,
E árvores e as plantas
Bebem as gotas do orvalho
Que a noite deixou....

Saio de minha casa,
Cada pessoa que encontro me saúda....
E eu retribuo a gentileza com emoção...
E as pessoas mostram seus sorrisos,
Que sei que são isentos de quaisquer más intenções...
Que são faces de sinceridade.

Nas cidades,
Nos trabalhos,
O chefe entende o funcionário,
Que, embora erre,
Tem o perdão
Na mesma proporção
Que a falta lhe concerne
Para o patrão.

Ninguém fica cansado,
Todos satisfeitos com o seu trabalho,
Com seu salário,
Com  o lazer que lhes são possibilitados.

E o amor de todas as vidas humanas
É dado e recebido na mesma medida...

Pena que o que eu te contei
Seja apenas uma utopia.
(Faremos dela uma realidade um dia?)

Leandro Monteiro

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

DESEJO IV

Por fim, o epílogo do poema.

"Um desejo
Sempre
Estará cheio,
Mesmo que
Se peça sua
Deserção
Ao infinito".

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

DESEJO III

Desejar é gerar
Desejar é cuidar
Desejar é viver...

Viver é mais que acreditar
Acreditar é necessitar
Dentro de si
Algo preencher...

Mesmo que seja desejar
A essência de um desejo
Vazio de si mesmo.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

DESEJO II

 Continuação de "Desejo"


Sem desejo
Inexisto
Sem desejo
Adeus

Adeus
Buda
Adeus
Cristo

Adeus
Pois todos meus sentidos
Deixaram de eu me desejar

E o céu que tanto tentam falar
Nem minha vontade, esquecida,
Consegue entrar

O espírito de um ser sem propósito,
De um ser vazio....

Se for para me prevenir deste destino,
Então, afirmo:

Só o desejo nos fazem vivos.

DESEJO I

Este poema se inserirá aos demais textos de "Utopia de  Yang"

 
Tenho desejo.
Reconheço.
Se envergonhado estou?
Pelo contrário, 
Estou consciente deste fardo
- Que todos dizem ser pecado.

Tenho desejo, sim...
Mas é o inverso
Do que você supõe compreender....
Desejo é poder...
Poder de querer 
Toda paz que eu e você devemos ter

Se são o de ficar rico?
Se são o de amar alguém?
Se é o meu bem ou o teu?

Esqueça, isto é disfarçar de desejo

O que é apenas egoísmo...

Desse sentimento
Quero abster.
(Pena que o desejo seja utopia
Para todos, sem exceção, compreender).

Leandro Monteiro

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

THE DARK SUN


Those dark clouds in the sky
Those tough rains in your sight
All showed you should give up
And rethink all that things
That within steers up you

You maintained the focus,
Even the opportunities were out
So far away from your intentions
Of becoming your dreams comes true
And for you get your redemption.

But, finally, the sky opens,
The sun brightly comes…
All your efforts were not in vain
You reaped what you sewed
Now you got all the gold plants.

Now you are free,
You can trip anywhere
You can do what you wished
With of lot of money in your pocked
And many cards are in your sleeves.

Now the dark sun is far away
And you do neither remind it
But if this sun lights now you
It eclipsed other skies, others ways…
It’s a dark sun that doesn’t get fruits…

Doesn’t get fruits to them,
To those works with you
As a loyal comrades, friends
Who thinks to be true what you say:
You, who, are the dark sun around them.

Leandro Monteiro



sábado, 9 de fevereiro de 2013

EGO'S SON (POEM XIV)

So colorfull, warmfull, clean...
A great forest I see.
The green of its sheets
I taste
I touch
With my heart the music of birds...
I feel like doing my dreamfull date.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

EGO'S SON (POEM IV)

This poem is in a whole of other 30 I called EGO'S SON (that it would be a history of conscience's man and his feelings). Some verses can be described as "immature" since these were writing a long time ago.

IV

I see a big island.
With a lot of things...
I'm alone, I don't have friends
Or someone who speaks with me.
But I changed my feelings...

I don't care with you are listening
Or you are not...
I talk to objects
So good and kind are they
When they are with me,
Despite they don't speak to me.

NECESSIDADES

A céu aberto,
Mais do que fé,
Preciso de água,
Preciso de pão...
Quais deles será o primeiro?
Não sei, só sei que ambos terei de ter.
Além disso, não importa a ordem dos fatores,
Ela não altera o meu desejo de viver.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

CARNAVAL

Este poema faz parte do post Poemas, contudo, resolvi publicá-lo em separado.

Chega o carnaval
Com a minha máscara
Vou desmascarar
Toda minha cara
De alegre aflição;
Pular no salão;
E, enfim, expurgar
Toda triste paz
Que vivo bastante
No meu dia a dia.

Chega o carnaval,
Vou pular, dançar
E cantar ao ritmo
Da alva hipocrisia,
Fazendo o proibido
E proibindo tudo
O que é permitido
Pois é carnaval.

Vou pular, dançar
E cantar vestido
Como um arlequim,
Como um pierrô,
Falando a verdade
Da grande mentira
Que diria por
Trás de suas costas,
Minha columbina,
Na busca de amor.

Vou rir de chorar,
Vou chorar de rir,
Na ordem que convir,
Que mais me agradar
E me divertir...
Dando ódio que amo;
Dando o amor que odeio.

Que bom ser três dias
Dessa verdadeira
Mentira que eu vivo...
Não sei se teria
Intacta essa máscara
Que forma meu rosto
(Que escondo em seu todo)
Quanto o mostro pra
Todas essas gentes
No cotidiano.

É, É carnaval...
Não vou lamentar
Ser-me verdadeiro
Pois a máscara é
Roupa, corpo inteiro:
Com boca a falar
Tão doces tragédias
Fatais e finais..
A guardar na páscoa
Até começar
Mais um carnaval.


Leandro Monteiro


terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

LITTLE DIFFERENCE


Between bloom and boom
What the differences?

If a mouth wants a bloom
But hands did booms
They took love away
To make their heaven
Over, over others doom...
And the mouth claims:
Oh my God, Oh my Lord
Why the little things are
So mean for all your men?!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

domingo, 3 de fevereiro de 2013

PRÓXIMO POEMA

Não sei sobre o que escrever,
Não sei sobre como escrever,
Não sei sobre o que dizer,
Não sei sobre como dizer,

Estou com medo de me repetir...

Se não dá para ser o português,
Façamos o auto motivo recorrente
Em outro língua: primeiro, inglês...

Não deu. Vamos então pro espanhol...
Não consigo... E me sinto
Plagiar-me em minha língua...

Façamos o seguinte: escrevamos em alemão!
Amigo, amiga, poderia me trazer o dicionário?

Auf Wiedersehen!
Hasta Luego!
So Long!